Agende sua Consulta

Escolha o melhor horário e data que você deseja ser atendido.

80% dos pais não notam a perda auditiva nos filhos

80% dos pais não notam a perda auditiva nos filhos

Postado por trespontozero em 06/abr/2018 - Sem Comentários

A perda parcial de audição durante a infância é um problema que passa despercebido por pais e professores. O quadro, entretanto, deve ser tratado o quanto antes, pois ocasiona atrasos no desenvolvimento da criança. Um levantamento realizado em Curitiba pelo Centro de Pesquisa e Avaliação Auditiva (CPAA) constatou que quatro em cada cinco pais de crianças com perda de audição não haviam se dado conta do problema. Entre os professores, dois em cada três não perceberam a condição em seus alunos. Os números são particularmente preocupantes para Curitiba – cidade que, por causa do clima, registra casos de perda de audição parcial reversível em 20% das crianças de até 6 anos. A quantidade de casos é comparável a de países de clima ártico. Não há estudos amplos sobre o tema no Brasil, mas a estimativa de especialistas do setor é que em cidades do Nordeste, por exemplo, a doença atinja no máximo 3% das crianças. A relação entre clima e perda de audição ocorre por causa das doenças respiratórias. Como o catarro costuma se acumular e solidificar no canal do ouvido médio, a membrana no tímpano passa a vibrar menos e impede a identificação adequada dos sons. As otites (inflamação na membrana do ouvido) são outra causa comum de redução da audição na infância.

“A questão mais grave é que se trata de uma doença silenciosa. Como não dói e não tem sintoma externo, e a própria criança não percebe, acaba passando despercebida pelos pais”, alerta o otorrinolaringologista pediátrico Lauro João Lobo Alcântara. Existem comportamentos característicos, entretanto, que podem servir como pista para os pais. Nas crianças menores (até 3 anos), a perda de audição retarda a aprendizagem da fala, já que elas não ouvem os fonemas a serem repetidos. Nas maiores, em idade escolar, o efeito mais comum é a perda de atenção nas aulas e em conversas com adultos. Elas ainda costumam assistir à televisão com o volume muito alto.

“O que costuma acontecer é as mães trazerem os filhos para consulta com outra queixa, e descobrirem que o problema está relacionado à audição. Já as escolas reclamam de desatenção, mas também sem saber qual é a causa”, explica a fonoaudióloga Solange Bley. “A perda leve da audição não significa que a criança seja surda. Esse tipo de problema é perfeitamente reversível se bem tratado”, tranquiliza.

 

Tratamento:
Existem dois tipos de tratamento mais usados. A primeira tentativa é com medicamentos para o nariz, que ajudem a melhorar a respiração e com isso evitem a obstrução do ouvido. Caso não haja reversão em até três meses, é realizada uma microcirurgia para inserir um tubinho de silicone no ouvido. Conectado à membrana do tímpano, ele tem a função de substituir provisoriamente o tubo auditivo até que haja a recuperação completa. Médicos recomendam que as crianças façam um exame auditivo por ano, preferencialmente antes do início do período letivo. Em algumas escolas, o exame é ofertado dentro da própria instituição nos primeiros dias de aula.
O otorrino Lauro Alcântara lembra que existe ainda a opção de se realizar uma triagem auditiva. O exame, mais simples e barato que a checagem completa, é capaz de detectar se existe a possibilidade de algum problema de audição. Em caso positivo, exames mais aprofundados se fazem necessários.

 

Fonte: https://goo.gl/8mGBC7
http://www.microsom.com.br
https://www.facebook.com/microsom/

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Leia Mais microsom

Tópicos recentes

VEJA TAMBÉM:

Nós entramos em contato com você

Receba nossa newsletter

OUTRAS SOLUÇÕES PARA VOCÊ: