Perda auditiva e demências, como o mal de Alzheimer.

Blog-13-julho-Perda auditiva e demencias como o mal de Alzheimer

Que relação há afinal entre esses dois tipos de problemas que aparecem com o envelhecimento? 

Por Patrícia Di Risio, fonoaudióloga e gerente de Planejamento da Microsom

Mais uma vez a Microsom marcou presença no Encontro Internacional de Próteses Auditivas (EIPA), que reúne uma vez por ano os mais renomados profissionais da saúde auditiva para aulas, palestras e troca de conhecimentos e experiências sobre os mais recentes achados e estudos científicos da área. E, nesta edição do evento, um dos assuntos mais abordados foi a relação entre a perda auditiva e o desenvolvimento da demência em idosos.

O Estudo Longitudinal do Envelhecimento, da Johns Hopkins School of Medicine de Baltimore (EUA), por exemplo, apresentado durante uma aula no EIPA, mostrou que a diminuição na audição está sim associada a diversos tipos de demência. Voluntários com idades entre 36 e 90 anos, e inicialmente sem diagnóstico da doença, foram acompanhados durante quase 12 anos e submetidos a exames audiométricos.

Ao final desse período, os pesquisadores identificaram 58 casos de demência, 37 deles pelo mal de Alzheimer. Em todos eles, observou-se uma incidência maior de demência entre pacientes com perdas auditivas, especialmente entre aqueles com perdas consideradas graves. Nesse levantamento de Baltimore, não é possível saber se a diminuição na audição é apenas um marcador do estágio inicial da doença ou realmente um fator de agravamento dessa condição.

Outros estudos e especialistas, porém, já até apontam os cuidados com a saúde auditiva como um possível caminho para retardar todo o processo que leva à demência.

Em artigo publicado pelo Instituto do Cérebro, da Universidade de Queensland da Austrália, e baseado também em informações de um grande compilado sobre o assunto divulgado na revista científica inglesa The Lancet, a perda auditiva está na lista dos fatores de riscos modificáveis – ou seja, que podem ser controlados na tentativa de prevenção das demências.

De acordo com o texto, “a idade é o maior fator de risco para o desenvolvimento de demência. Infelizmente, assim como nossos genes, não podemos fazer nada para superar o envelhecimento. No entanto, existem fatores ambientais que parecem influenciar essa probabilidade e representam cerca de um terço do risco global de desenvolver a doença. Há algumas evidências que sugerem que podemos tomar medidas para diminuir o impacto desses fatores”.

O que a prática ensina

Independentemente do apoio científico que temos hoje para justificar ainda mais a importância do diagnóstico precoce da perda auditiva e do uso do aparelho auditivo como tratamento ideal, as consequências e as vantagens desses cuidados para a qualidade de vida do paciente já são muito conhecidas na prática. E, ao relembrá-los, fica fácil entender que incentivar a manutenção da saúde e o bom funcionamento dos ouvidos pode ser uma poderosa arma para retardar ao máximo a chegada dos danos causados por qualquer tipo de demência.

Ouvir é uma forma de exercitar os neurônios. O som chega aos ouvidos, mas só conseguimos interpretar e responder corretamente ao que é dito quando o nosso cérebro entra em ação. Se essa atividade não é feita mais como era, desaprendemos a conversar, a nos expressar e, consequentemente, a registrar aprendizados e memórias.

É por isso que o isolamento social, a baixa autoestima, as crises de ansiedade e a depressão são problemas que costumam acompanhar as dificuldades de audição.

Deixar de ouvir é apenas a primeira consequência. O que vem junto, caso não haja um tratamento adequado, pode causar um grande impacto negativo no bem-estar físico e emocional de qualquer pessoa. Imagine então quando há uma predisposição a demências.  Incluir no check-up geral da saúde a avaliação auditiva, portanto, está longe de ser um exagero. Como já vimos, pode ser uma maneira de afastar ou de reduzir o impacto de doenças graves e bastante comuns na velhice, como o mal de Alzheimer.

Fontes:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21320988

https://qbi.uq.edu.au/dementia/dementia-risk-factors

https://www.thelancet.com/action/downloadFigures?pii=S0140673617313636&id=gr4.jpg

Se você gostou, compartilhe nas redes sociais:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Convênios

PRONTO PARA VIVER MELHOR?

Entre em contato com nossa Central de Atendimento ao Cliente ou em nossos canais de comunição abaixo.

ENTRE EM CONTATO

 0800 011 64 91

ligação gratuita

Acompanhe nossas redes sociais