via auditiva e conexão cerebral



Como usamos nosso cérebro para ouvir

Você ouve com seu cérebro, não com seus ouvidos.

Obviamente, precisamos de nossos ouvidos para captar sons, mas só os compreendemos quando eles chegam ao nosso cérebro. Portanto, ouvir – e principalmente entender a fala – é um processo cognitivo, não mecânico. Em outras palavras: ouvir é pensar.

 

Nossos ouvidos emitem todos os sons para o nosso cérebro. Eles não escolhem o que enviar; e de fato, eles nunca descansam. Mesmo quando dormimos, nossos ouvidos estão enviando informações sonoras ao nosso cérebro. O cérebro então faz todo o trabalho pesado, filtra sons irrelevantes, como por exemplo, outras pessoas conversando em um restaurante ou os ruídos do trânsito em segundo plano. Sem percebermos, nosso cérebro está constantemente trabalhando, selecionando o que ouvimos e decidindo quanta atenção dar a cada som.

Porém, antes que qualquer decisão possa ser tomada, o cérebro deve primeiro extrair um significado da massa de ondas sonoras sobrepostas que preenchem o ar. Ao captar os sinais sonoros de nossos ouvidos e compará-los, nosso cérebro localiza a fonte de sons diferentes.

Utilizamos informações de localização para determinar quais partes dessa massa de som são provenientes de certos objetos ou pessoas. Ou animais – essas habilidades evoluíram durante nosso passado primitivo, quando localizar efetivamente ameaças e alimentos era fundamental para nossa sobrevivência.

 

 

O cérebro transforma som em significado

 

Uma vez que nosso cérebro escolhe uma fonte sonora, ele compara esses sons à nossa memória. Ao fazer isso, ele pode determinar se o som é algo que já ouvimos antes e, portanto, algo que já conhecemos. Só que nosso cérebro às vezes não encontra referência em seu banco de memória, e aí ele pode adicionar um novo, pronto para a comparação na próxima vez. Enquanto isso, somos alertados para o perigo de um som desconhecido. Uma vez que seu cérebro retira dados brutos do som de seus ouvidos e os transforma em significado, ele pode extrair mais informações sobre o ambiente. Desde o tempo que um som leva para ecoar, e a quantidade de eco que ele cria, nossos cérebros nos dão uma sensação de quão grande é um espaço. Também descobrimos o tipo de superfície que existe em uma sala a partir da maneira como elas mudam o som, à medida que refletem a caminho de nossos ouvidos.

Todos esses cálculos acontecem simultaneamente no cérebro. Como o cérebro transforma sons em significado, a boa audição não é apenas uma questão de emitir sons altos o suficiente. A boa audição exige que asseguremos que o cérebro obtenha todas as informações sonoras necessárias. Não se deve perder nenhuma frequência e nenhum som específico, qualquer que seja a direção que vier. Se o seu cérebro não está obtendo os sons certos para trabalhar, será preciso um esforço intenso para extrair significado do som que chega até ele. Sempre que há sons ausentes, o cérebro tenta preencher essa lacuna – um processo muitas vezes difícil e desgastante.

 

 

Aparelhos auditivos podem ajudar o cérebro

 

Em vez de aumentar o volume e sobrecarregar o cérebro, precisamos apoiá-lo, fornecendo as condições necessárias. Para extrair adequadamente o significado, o cérebro precisa acessar toda a paisagem sonora, para que possa se concentrar naturalmente nas fontes sonoras mais relevantes.

Aparelhos auditivos modernos podem fornecer isso. Com processadores mais potentes do que nunca, eles não precisam mais restringir o campo sonoro quando você está em ambientes ruidosos. E quando um especialista em cuidados auditivos qualificado calibra adequadamente os aparelhos auditivos, o dispositivo pode compensar as partes ausentes do campo sonoro, restaurando as condições de trabalho em que seu cérebro foi projetado para funcionar.

 

 

Fontes:

http://www.neuroreille.com/

http://www.cochlea.org/po/ouco

http://www.cochlea.eu/cerveau-auditif

http://www.cochlea.org/po/ouco/cerebro

https://www.hear-it.org/How-the-brain-processes-auditory-signals

https://zuckermaninstitute.columbia.edu/how-brain-dials-volume-hear-someone-crowd

https://www.cell.com/neuron/fulltext/S0896-6273(19)30780-9?_returnURL=https%3A%2F%2Flinkinghub.elsevier.com%2Fretrieve%2Fpii%2FS0896627319307809%3Fshowall%3Dtrue



02/12/2019