Apneia do sono e declínio cognitivo: uma ligação perigosa.

No momento, existem milhões de pessoas vivendo com a doença de Alzheimer – um distúrbio neurocognitivo degenerativo que causa perda de memória moderada a grave, diminuição da cognição e outras inabilidades intelectuais. A doença vai se agravando com a idade e é a sexta principal causa de morte. Mas o pior de tudo é que não tem cura.

 

Um estudo, publicado no estimado Journal of Clinical Sleep Medicine, mostra que o tratamento persistente e de longo prazo com CPAP resultou em “melhorias duradouras” em pacientes com doença de Alzheimer. A doença de Alzheimer, descoberta pelo psiquiatra e neuropatologista alemão Alois Alzheimer, anda de mãos dadas com a apneia do sono. Parece que entre 50% e 90% dos pacientes com Alzheimer têm apneia do sono. Pesquisadores e médicos não sabem exatamente por que a doença de Alzheimer e a apneia do sono estão tão intrinsicamente ligadas em alguns pacientes, mas sabem que quanto pior a apneia do sono, pior a doença de Alzheimer – e vice-versa.

 

O que veio primeiro, o ovo ou a galinha? O cenário é o que levou os pesquisadores a descobrir se o tratamento da apneia obstrutiva do sono também pode tratar a doença de Alzheimer. Ou seja, os pesquisadores queriam descobrir se o tratamento da apneia do sono usando pressão positiva contínua nas vias aéreas, ou CPAP, poderia melhorar o funcionamento cognitivo em pacientes com Alzheimer. O que os pesquisadores do Departamento de Medicina da UC San Diego descobriram foi que, de fato, seu palpite estava certo. Após apenas três semanas de uso do CPAP, os pacientes apresentaram “melhora significativa” na cognição e aumento da funcionalidade intelectual. Depois de seis semanas, os resultados foram ainda melhores. Os pesquisadores também descobriram que as alterações na cognição como resultado dos tratamentos com CPAP não estavam tão distantes das alterações observadas nos pacientes que usaram medicamentos para melhorar a cognição. Em outras palavras, os tratamentos com CPAP podem não apenas proporcionar uma noite de sono muito melhor, mas também podem ajudar a dissipar a nevoa nesse campo. O que isso significa para as pessoas que sofrem da doença de Alzheimer? Significa uma chance possível de combater a iminência do declínio mental. E também significa que, no meio desse nevoeiro, há uma luz no fim do túnel – para pessoas com Alzheimer e apneia do sono. No extremo mais grave do espectro, a apneia obstrutiva do sono é encontrada em mais de 40% das pessoas diagnosticadas com a doença de Alzheimer. Muitos desses indivíduos mal conseguem viver sem ajuda de outra pessoa – muito menos se lembram do que comeram no café da manhã ou nem se lembram de seus próprios nomes, que é o lado mais triste e muito mais sombrio da doença. No entanto, se este estudo revolucionário mostra que os tratamentos com CPAP podem melhorar as funções cognitivas, o que isso significa para os casos mais graves? E se em menos de cinquenta anos a prevalência da doença de Alzheimer mais do que duplicar? isso nos dá esperança para o nosso futuro?

 

Quando se trata disso, se a apneia do sono e a doença de Alzheimer estão mais ligadas do que pensamos, provavelmente vale a pena explorar mais. Se a apneia do sono pode literalmente causar estragos nas habilidades cognitivas de uma pessoa – mesmo em pessoas que não são diagnosticadas com a doença de Alzheimer – talvez medidas preventivas usando um dispositivo de CPAP devam ser habituais para impedir que a deterioração ocorra. No entanto, o que este incrível estudo nos diz é que, se você usa um CPAP, deve continuar a usá-lo, especialmente se tiver os primeiros sinais de Alzheimer ou demência. Embora este estudo de referência seja apenas preliminar, ainda assim é um caminho promissor para se investigar a relação entre um distúrbio misterioso do sono e um distúrbio neurocognitivo igualmente misterioso. Temos certeza de que Alois Alzheimer estaria muito feliz hoje.

 

Após apenas três semanas de uso do CPAP, os pacientes apresentaram “melhora significativa” na cognição e aumento da funcionalidade intelectual.– Kathy C. Richards, PhD



17/01/2020